Comunidade Francesa

Contactos:

  • Pe. Olivier Plichon
  • Morada: Igreja de São Luís dos Franceses, Beco de São Luís da Pena, 34, 1150-336 Lisboa
  • Telf: 21 342 58 21
  • mail: stlouislisbonne@gmail.com

http://www.vozdaverdade.org/site/index.php?cont_=ver2&id=4142

Animada desde 2011 pelo Padre Manuel Durães Barbosa, da Congregação do Espirito Santo, a Comunidade de São Luiz dos Franceses em Lisboa junta católicos francófonos que estão na capital por períodos de alguns anos, outros oriundos de estabelecimentos muito mais antigos radicados definitivamente em Portugal, assim como uma comunidade africana extremamente ativa, que faz de São Luiz um local de vida e de festa que todos apreciam.

Catequese

Relativamente à catequese, este ano temos 111 crianças e jovens inscritos na catequese e nos grupos de jovens, repartidos do 2º ao 12º ano. O ano da catequese termina com uma missa de Ação de Graças em meados de Junho. Três vezes ao ano temos aquilo a que nós chamamos «tempo forte». É, geralmente, um sábado em que convidamos crianças, jovens e pais a virem a uma formação sobre um tema específico (Ex: Abraão, Cristo Rei, Advento, Jeremias, o Filho Pródigo, Zacarias, Quaresma, Reconciliação, Semana Santa…) Nestes momentos, cada catequista ocupa-se do seu grupo e o Padre Manuel faz a formação aos pais.

Os encontros de jovens têm moldes diferentes de funcionamento. Cada grupo é recebido em casa dum casal uma vez por mês, à noite, para o debate dum tema escolhido pelos jovens. É um momento de partilha, de discussão e exposição de ideias aberta a todos, mas onde o padre, sempre presente, orienta e mostra a forma cristã de vida e onde o casal dá o seu testemunho de Fé.

Para o funcionamento dos grupos das crianças temos 18 pais e mães voluntários e para os grupos dos jovens, 10 casais. A comunidade ligada a esta igreja é muito flutuante, com origens muito diversas unidas pela língua francesa. Por isso temos todos os anos, no início de Setembro, uma preocupação constante de recrutar pais em número suficiente para podermos iniciar um novo ano de catequese.

Temos ainda vários outros grupos que funcionam regularmente durante a semana e desde há muitos anos: Leitura e estudo da Bíblia, Oração das mães, Recitação do Rosário e Oração às terças-feiras durante o Advento e a Quaresma.

Convívio e vida cultural

A nossa comunidade gosta de se reunir e, uma vez por mês, a seguir à missa, são todos convidados a subir ao reitorado para um aperitivo e dois dedos de conversa.

Também um ponto alto na vida da nossa paróquia é a festa «Fête de Saint Louis». È organizado um almoço, jogos para as crianças, rifas, venda de produtos (azeite, mel, compotas, marmelada, frutas, legumes, flores…….). Em Dezembro organiza-se uma venda de Natal, após a missa, com uma oferta variada de produtos.

Na primavera, ninguém falta à missa campal, à volta de um porco grelhado, e também celebramos o São Ivo, que tem um altar na nossa igreja. Organizamos um retiro de Quaresma para adultos todos os anos, e participamos na Via Sacra vivida durante todo o dia da sexta feira Santa juntamente com a paróquia do Padre Cruz, em Moita dos Ferreiros.

Todas estas ações são asseguradas principalmente pelos catequistas mas também por muitos outros paroquianos que se disponibilizam para ajudar. Visam ainda angariar dinheiro para manter a igreja e as suas dependências operacionais de forma a poder assegurar, cada ano, o bom funcionamento da catequese e de todas as atividades ligadas à igreja.

Localizada no coração de Lisboa, a nossa igreja recebe vários concertos por ano. A acústica desta igreja é excelente, sobretudo quando é realçada pelo coro “africano” de São Luís dos Franceses. O coro surge com o propósito de colaborar nas missas da Igreja de São Luís. A sua existência, enquanto grupo coral, remonta há cerca de 12 anos e sempre foi composto essencialmente por cidadãos estrangeiros, cujo número muda em função das chegadas, partidas e mudanças. Atualmente, o coro conta com 25 membros, a maior parte africana, de diversas nacionalidades: senegalesa, guineense, togolesa, todos unidos pela língua francesa.

Os atuais membros do grupo não são profissionais da música, nem gozam de uma vasta experiência em termos de canto, porém são todos movidos pelo gosto e o prazer de cantar e ser útil à sua comunidade. O coro tem no seu repertório uma grande variedade de cânticos em francês, em inglês e também em dialetos africanos. Esses cânticos, aliados a uma originalidade de ritmos ao som de alguns instrumentos africanos como o “djembé”, proporcionam assim a sensação única de pertencer a igreja universal.

De “ Frère Jean “ ao Padre Manuel Durães Barbosa

A partir de 1994, o Padre Jean Duranton marcou profundamente a comunidade. Homem de grande cultura e uma enorme abertura de espírito, o “Frère Jean”, como o nomeávamos, contribuiu para o crescimento de todos na Fé e na Igreja. Vitima de um AVC, em Dezembro de 2010, a sua ausência repentina abalou fortemente a comunidade. Felizmente a Providência e o nosso amigo Benjamin, trouxeram-nos um jovem padre africano, Clément Kilabi, missionário do Verbo Divino, logo no início de 2011. Apesar de ter sido só recentemente ordenado, integrou-se muito bem na nossa comunidade. Contudo, seu destino era a Holanda. Mas a Providência continuou a apoiar-nos, e trouxe-nos então o Padre Dex, da Congregação do Espírito Santo. Novamente, era uma solução provisória, não menos apreciada. O Padre Dex seguiu depois para a diocese do Porto, para uma casa da sua Congregação. Ambos permitiram a continuação do culto nesta comunidade já com 560 anos, que encontrou no Padre Manuel o seu reitor oficial e estável.

O Padre Manuel, da Congregação do Espírito Santo, aceitou este desafio no final da sua missão como responsável nacional das Obras Missionárias Pontifícias, que deixou em Dezembro de 2011. Originário de Barcelos, foi ordenado em 1966. Nunca mais parou, esteve em Roma, no Brasil, sempre disponível e inovador. Amigo da nossa comunidade já há muitos anos, aceitou este novo desafio, e rapidamente conquistou todos pelo seu sentido de escuta e da observação, e o seu humor. Ele é mais uma demonstração de que a língua francesa pode juntar pessoas na Fé, independentemente da sua origem, reunindo famílias de horizontes muito diversos numa comunidade extremamente coesa e viva.

Não somos uma paróquia com os seus paroquianos a viver à sua volta. Somos uma Igreja pequena com poucos membros e dispersos. Mas somos, sem dúvida, uma comunidade viva, ativa e empenhada. Estamos abertos a todos os que se queiram juntar e trabalhar connosco.

texto pelo Bureau du Conseil Pastoral da Comunidade de São Luiz dos Franceses