O Papa sublinhou hoje no Vaticano a necessidade de uma Igreja Católica capaz de intervir na ameaça desumanizadora que paira sobre milhões de refugiados e migrantes, sem teto nem nação.

“Hoje cada migrante corre o risco de se tornar numa pessoa desarraigada, sem rosto, sem identidade. Esta é uma perda gravíssima que pode ser evitada com a escuta, caminhando ao lado dessas pessoas e comunidades”, frisou Francisco, durante uma audiência esta segunda-feira com um grupo de missionários scalabrinianos.

A congregação dos Missionários de São Carlos Barromeu, cuja obra passa muito pelo setor pastoral das migrações, em especial no Apostolado do Mar, está em Roma a promover o seu Capítulo Geral, guiado por um novo superior, o padre brasileiro Leonir Chiarello.

No encontro com os participantes deste evento, o Papa argentino salientou que a intervenção da Igreja Católica na crise migratória, deve ter como base “encontrar estradas sempre nova de evangelização e proximidade”.

Agência Ecclesia – Mais informações aqui