O 17.º encontro de agentes sociopastorais das migrações, da Igreja Católica em Portugal, chegou hoje ao fim com apelos em favor de um compromisso concreto da sociedade em favor dos refugiados.

“É urgente que os portugueses deixem de lado uma ‘indignação de sofá’, estimulada pelos picos de informação e a exploração de casos dramáticos, para agirem numa indignação plena que leve ao verdadeiro compromisso”, assinalam as conclusões do encontro, que decorreu em Leiria desde sexta-feira.

O documento, enviado à Agência ECCLESIA, pede uma “resposta pronta” ao atual desafio de acolhimento às famílias que estão para chegar a Portugal através da Plataforma de Apoio aos Refugiados (PAR).

“É necessário criar condições de um apoio humanitário imediato, defendendo a abertura de vias de acesso para que as pessoas se desloquem de forma segura e legal, para os países de acolhimento”, assinalam os responsáveis católicos da área das migrações.

A PAR e as organizações a ela associadas vão promover um “reforço de sensibilização e consciencialização” sobre o que é ser-se uma instituição de acolhimento, para que cada paróquia possa receber, pelo menos, uma família de refugiados, acolhendo o convite do Papa Francisco.

O 17º encontro dos agentes sociopastorais das migrações contou com cerca de 70 participantes, em volta do tema ‘Refugiados: euros ou pessoas?’.

Agência Ecclesia – ler artigo completo aqui.